Lascou! O Tricolor chegou.

 

comendo pelas beiradas e de novo na rota do titulo

Tricolor de Muricy: comendo pelas beiradas e de novo na rota do título

Quem acompanha os posts desse blog esportivo sabe que coloquei o Palmeiras como grande favorito ao título do Brasileirão. A afirmação foi feita mais pela confiança na direção de Wanderley Luxemburgo do que pelo elenco alvi-verde, que quando perde um ou outro jogador de talento, não tem peças para repor. 

 

Luxemburgo é um ganhador nato, especialista no que faz, seja pontos corridos ou não. Mas não há como negar que Palmeiras e outras equipes que vinham lutando pelo título desde a metade da tabela precisam abrir o olho para o bicho-papão chamado São Paulo. 

Campeão pelos últimos dois anos, o Tricolor voltou a ser a maquininha de regularidade. Cresce na hora certa. É uma história que se repete em todo torneio. Podem até ser eliminados, mas é melhor aproveitar enquanto estão dormindo para disparar ou eliminá-los. Os outros não fizeram isso e o São Paulo vem jogando cada partida como se fosse uma final desde as primeiras rodadas do returno. Não é por nada que é o melhor dessa fase. 

Enfim, pelo que estamos percebendo Cruzeiro e São Paulo são os mais consistentes até esse 1 de novembro. Grêmio, na minha opinião, e já tinha falado isso, será o cavalo paraguaio mor. Palmeiras, se não voltar a se organizar e jogar um futebol decente, é capaz de ficar fora do G4, pois o Flamengo também vem com tudo.

Quero meu sono de voltaaaaaa!!!

Ai se arrependimento matasse. Eu já estaria há sete palmos. Por que sou tão teimoso, meu Deus, em aguentar tentar ver os jogos da Selecinha (by Marcelo Tas) Brasileira. Além de teimoso, só posso ser estúpido. Depois de um dia de trabalho desgastante, me coloco em frente à televisão para acompanhar mais um dos terríveis jogos do Brasil pelas Eliminatórias da Copa 2010.

Quem leu meu último post já sentia o que eu esperava para a partida contra a Colômbia. Mas fiel ao gosto de sadomasoquista esportivo, resolvi encarar essa que foi uma Pelada com P maiúsculo. Basta colocar cones que marquem forte que o Brasil não consegue jogar. Fico imaginando esse mesmo time numa Copa do Mundo em um grupo com seleções da Europa como Irlanda, Noruega, Polônia, entre outras que sapecam a botina e que não saem para o jogo nem se tiverem mulheres peladas à disposição.

É ridículo assistir a um bando de jogadores que (e não me venham com desculpas de falta de entrosamento) não conseguem trocar passes, ensaiar jogadas, atuar com velocidade, raça e disposição. Falta vontade para todos, inclusive para o tal Dunga. Gostava dele como jogador, pelo brio que tinha, não pela técnica, mas como técnico é fraco na escalação, no esquema (muito convencional e óbvio) e até no humor, isto é, fica preocupado em ser ranzinza com a Imprensa e não em arrumar uma forma de a equipe superar retrancas homéricas, como de Bolívia e Colômbia. Não é de hoje que torço para Luxemburgo ou Muricy entrarem. É uma questão de tempo.

Resumindo: já tomei a vacina contra os jogos da Seleção! Só espero que a vontade de ver futebol não faça o efeito dela se dissipar.

Um Brasil diferente. Uma Venezuela de sempre!

Ao assistir aos momentos que antecederam o jogo entre Brasil e Venezuela pelas Eliminatórias da Copa 2010, a impressão que dava é que a seleção nacional deveria ter medo. Torcida lotando o estádio em San Cristobal, jogadores cantando o hino abraçados, clima de euforia e muita empolgação. Mas o futebol ainda não se faz apenas com vontade. 

É preciso técnica, fundamento e, sobretudo, inteligência. Esse último requisito faltou bastante à equipe venezuelana. E não me venham com a história de que não há bobo no futebol. Eles existem sim. Não apenas bobos, mas burros.

O que passa na cabeça do técnico brasileiro César Farias em incitar em seus jogadores a possibilidade de vencer o Brasil, repetindo resultado conseguido em recente amistoso entre os dois times? Todo selecionado que inventa de atacar o Brasil, de forma tresloucada, acaba apanhando. E feio. Ainda mais a Venezuela, saco de pancada da maior tradição. 

O Brasil matou a pau, pois sempre tem essa atitude quando joga com liberdade, sem marcação justinha e apertada, como aquela feita pela Bolívia no penúltimo jogo da seleção, no Engenhão. Marcou forte, os canarinhos mostram dificuldades. Não espero nada diferente contra a Colômbia, próximo compromisso.

Não posso deixar de citar as benesses de contar com Kaká no time. Cara esperto, veloz e, às vezes, com um timing mais rápido do que outros atletas. Robinho também mostrou a característica habilidade, afinal, está soltinho, soltinho. Adriano fez gol, mas é o artilheiro pesadão de área. Prefiro tentar o Pato, mas como quem manda é o Dunga…

Santo protecionismo!

Vale tudo em nome da audiência. A Rede Globo, em plena fase final de Campeonato Brasileiro Série A, ignorou a presença de clubes que vêm lutando pelo título para exibir o jogo entre Corinthians e Marília. Santo protecionismo.

Mas não me surpreende, afinal, o Corinthians já é bem visto pela mídia como um todo e, quando envolve dinheiro na história então, aí que o puxa-saquismo privilégio aumenta. Mesmo o Timão já garantido na Série A do ano que vem e com meio time misto, a Rede Globo não exitou. É algo similar ao que aconteceu na final da Libertadores desse ano. Ou alguém esqueceu que deixaram de passar a primeira partida da final entre Flu e LDU para transmitir Corinthians x Bragantino.

E vocês, o que acham disso? A emissora ‘Globo e você, tudo a ver’ tem razão? Ou sente-se punido pela total falta de critérios da emissora? Vale diminuir a importância de um campeonato que reúne os melhores clubes para beneficiar a transmissão de um time que tem grande torcida e milhões de torcedores rivais? Eu não concordo.

Renato Gaúcho: um belo falastrão!

ficou perto da glória. Agora é um ser folclórico!

Renato: ficou perto da glória. Agora é um ser folclórico!

Renato Gaúcho me irrita. Atualmente dirigindo o Vasco, o paga-sapo marrento treinador tem verbalizado seus comentários otimistas em relação à saída do time da cruz-maltina da zona da degola. São promessas e mais promessas. Mas antes de continuar esse post, leiam abaixo uma fala do próprio técnico em 20 de junho deste ano, portanto há pouco mais de três meses, quando o Fluminense estava prestes a jogar a final da Libertadores contra a LDU. 

 

“O que me deixa tranqüilo é que todo mundo está jogando o Brasileiro com força máxima. Daqui a pouco, a gente entra com força máxima e mede forças”, declarou Renato Gaúcho, que não parou por aí. 

Estamos a 5 metros de conquistar o maior título do clube, enquanto as outras equipes que disputam a Série A do Brasileiro estão a 5 km da Libertadores”, provocou. 

Este trecho de entrevista retirado de matéria do site Primeira Hora mostra, sem dúvidas, que Renato Gaúcho tem uma boca muito grande. Marqueteiro como ele só, sempre tenta chamar atenção e desviar o foco a partir de suas pseudo-demonstrações de vidência.

As últimas declarações enaltecem essa característica irritante marcante de Renato Gaúcho. Ao assumir o Vasco, profetizou: “O Vasco não vai cair”.

Meu Deus, ter otimismo é uma coisa, ser petulante e não ter bom senso é outra. Não digo que o Vasco não tem chances de fugir da Série B. Não é isso. Contudo, profissionais de um esporte como o futebol, tão adorado no país, não podem ser inconsequentes ao ponto de garantir algo, de dar como certo. Não há como ficar prometendo nada. E Gaúcho é craque nisso: promete, promete e promete. 

Hoje ele não é mais treinador do Flu (o tricolor carioca está em maus lençóis no Brasileirão, na zona de rebaixamento), e seu Vasco, o qual comanda atualmente, continua descendo a ladeira. 

O futebol é cruel. Transforma bestiais em bestas em questões de minutos. Renato é uma dessas criaturas agora. Teve uma chance única na Libertadores para ficar em destaque por tempos, mas sua boca enorme e forma equivocada de motivar seu time, tornaram seu ano de 2008 algo desastroso. Renato Gaúcho perde credibilidade e ganha uma aura cada vez mais folclórica no meio futebolístico. Quando era atleta, às vezes conseguia decidir as partidas por conta própria. Agora é diferente. Do banco há como garantir nada. No entanto, uma coisa é certa. Como atleta ou como treinador, Renato Gaúcho continua marrento, enjoado e, sobretudo, sendo um belo falastrão!

Brasileirão 2008: eita campeonatinho acirrado!

 

AE)

Grêmio reclamou da arbitragem contra o Furacão, mas o fato é que o Palmeiras chegou de vez (Foto: AE)

Domingo à noite e não tem como deixar de falar sobre futebol. Findada a rodada 26 do Brasileirão 2008, fico com a impressão que teremos emoções acima da média nas rodadas finais do torneio. Vejam a tabela. A cada rodada, embola cada vez mais a briga pelo título e, também, para fugir do rebaixamento. Na ponta de baixo da classificação, apenas três pontos separam o lanterna (Ipatinga – 24 pontos) do último clube que se safaria caso a competição terminasse hoje: Atlético-PR (27 pontos).

Isso favorecem as mudanças a cada rodada. Na ponta de cima da tabela, o quadro vai ficar semelhante, ainda mais agora com o Palmeiras colando de vez no cavalo paraguaio? Grêmio. E não é só: o São Paulo está em quinto, fora do G4 e da Libertadores, mas está empatado em pontos com o 4º colocado. Brigas acirradas minha gente. 

E para os dois lados, vamos fazer uma rápida análise aqui para saber quem pode mais nas próximas três rodadas, as últimas antes de entrarmos na fase de tensão máxima do campeonato, os jogos a partir da rodada 30 (de um total de 38). Também coloco meus palpites. Fiquem à vontade para opinar. Essa é a intenção. 

NA PARTE DE CIMA (OS 4 PRIMEIROS)
Grêmio (não acredito que chegue ao título): Internacional (fora), Botafogo (casa) e Santos (casa). Saberemos se o Grêmio é candidato ao título após o confronto com o Colorado. Será o divisor de águas. Perdendo, deve cair de vez. Ganhando, ganha moral para tentar atropelar Bota e Santos em casa. 

Palmeiras (meu candidato ao título): joga contra Náutico (fora), Atlético-MG (casa) e Figueirente (fora). São adversários que estão lutando na parte de baixo da classificação. Palmeiras, ajeitado do jeito que está e com Diego Souza, Marcos e Alex Mineiro em grande fase, deve obter 7 ou 9 pontos. 

Cruzeiro: pega São Paulo (fora), Sport (casa) e Ipatinga (casa). O Cruzeiro vai proporcionar um dos jogos quentes da rodada 27 contra o Tricolor Paulista. Jogo decisivo para ambos. Na sequência considero que tem duas partidas “encardidas”, até por uma ser clássico, queiram ou não queiram.

Flamengo: o rubro-negro enfrenta Sport (casa), Náutico (fora) e Atlético-MG (casa). Se tudo correr na normalidade, coisa difícil no Flamengo, deve ganhar entre 7 e 9 pontos. Mas… 

NA PARTE DE BAIXO (OS 4 ÚLTIMOS)
Vasco: em queda livre, o time da cruz maltina pega Ipatinga (fora), Figueirense (casa) e Sport (fora). Para mim, o Vasco está ferrado com tudo para se afundar ainda mais, com Renato Gaúcho e tudo. Tabelinha ruim pela frente. 

Portuguesa: tem como adversários Santos (fora), Vitória (fora) e Coritiba (casa). Resumo: pega dois times que são leões dentro de casa e mais um que adora vencer fora dela. Para mim, Lusa é candidatíssima a cair. Posso até me enganar, mas…

Fluminense: o Tricolor Carioca duela contra Botafogo (casa-fora), Goiás (casa) e Atlético-PR (fora). Só o fato de ter Cuca como treinador me faz apostar que o Fluminense continue mal e vá firme rumo à Segundona, mais uma vez.

Ipatinga: pega Vasco (casa), São Paulo (casa) e Cruzeiro (fora). Luta, luta, luta, contudo não tem equipe para sair da zona da degola. Difícil acreditar que o Ipatinga aprenda a jogar bola nas rodadas finais. 

Com a palavra, vocês!!!

Quem cai no Brasileirão 2008? E quem leva o troféu?

Estadão)

Para mim, Palmeiras de Diego Souza levará o título. Para a degola, creio em Vasco, Ipatinga, Atlético Mineiro e Portuguesa (Foto: Estadão)

O Brasileirão 2008 vai se encaminhando ao final e, a partir de agora, o momento é, mais do que nunca, de muita expectativa. As brigas pela ponta da tabela dividem as atenções com as disputas da zona da degola. Esse campeonato tem mostrado equipes com muita alternância em seus resultados. Reparem que não existe um São Paulo 2007, uma espécie de bicho-papão, nesse Brasileirão 2008. 

Se um time ganha duas seguidas, logo perde uma em casa e já se vê ameaçado. O próprio Palmeiras perdeu de forma surpreendente em tempo recente para o seu grande algoz dos últimos anos, Sport Recife.

O São Paulo não consegue embalar, o Botafogo perde pontos bobos, idem ao Cruzeiro e o Grêmio, de seis rodadas do returno, ganhou 8 de 18 pontos, e viu sua “gordura” ser eliminada. 

O que quero dizer é que falta muita coisa acontecer. Não só na parte de cima da tabela, mas na debaixo também. Desde já coloco meus candidatos ao descenso. São eles: Portuguesa, Ipatinga, Atlético Mineiro e Vasco. Até pouco tempo colocaria o Atlético Paranaense, mas com a chegada do Geninho pela Arena, acredito numa melhora. Também acredito no crescimento ainda maior do Santos. Quem vem acompanhando as últimas rodadas de perto, percebe que o time da Vila não tem elenco para cair. O astral, além disso, é outro também. Ahhh, e para o título aposto no Palmeiras. Sei lá… parece que o Verdão está mais bem preparado para enfrentar as pressões e, acima de tudo, tem Luxemburgo no banco. Não dá para ignorar isso. 

E você, já fez seu prognóstico sobre quem será o campeão e quais irão para o fundo do poço na A1? 

O engraçado é que muitos comentaristas são uns covardes. Falam, falam, falam, e quando um time derruba os seus comentários, dizem que foi uma surpresa, que foi uma aberração, que aquilo não é normal. Sabe o que não é normal: não dar o braço a torcer!!!

Comentar é palpitar, não torcer. E a maioria ainda se dá ao peito de comentar depois que já aconteceu um jogo. Aí é fácil né. ‘Embromation’ total. Peguem o caso do Grêmio. O time pode até ser campeão, mas muitos cronistas já davam o tricolor gaúcho como campeão. Caramba, tantos Brasileiros em pontos corridos não serviram para esse povo entender que não dá para dizer que um time será campeão com 15 rodadas de antecedência? Lembram 2004, com Atlético-PR e Santos. O Furacão foi caindo, caindo e, a três rodadas do fim, deu de bandeja a liderança para o Peixe, que foi o campeão.